Páginas

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - Fapesp

Por Sandra Elisabeth

Na última reunião do Grupo de Inovação do CIESP – Regional de Santa Bárbara D’Oeste o Sr. Rafael fez uma explanação sobre o PIPE-Fapesp (Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas) e eu achei muito importante compartilhar algumas informações com vocês.

O PIPE-Fapesp apoia a execução de pesquisa científica e/ou tecnológica em micro, pequenas e médias empresas no Estado de São Paulo.

O apoio vem em forma de financiamento a fundo perdido, ou seja, um recurso não reembolsável, que significa não ser necessário devolver o dinheiro financiado. A única exigência é prestar contas do recurso financeiro, afinal este é um dinheiro público!

São objetivos do PIPE:
1. Apoiar a pesquisa em ciência e tecnologia como instrumento para promover a inovação tecnológica, promover o desenvolvimento empresarial e aumentar a competitividade das pequenas empresas.
2. Incrementar a contribuição da pesquisa para o desenvolvimento econômico e social.
3. Induzir o aumento do investimento privado em pesquisa tecnológica.
4. Possibilitar que as empresas se associem a pesquisadores do ambiente acadêmico em projetos de pesquisa visando à inovação tecnológica.
5. Contribuir para a formação e o desenvolvimento de núcleos de desenvolvimento tecnológico nas empresas e para o emprego de pesquisadores no mercado.
Para solicitar financiamento no PIPE-Fapesp não é necessário ter título de doutor ou mestre, porém é necessário demonstrar experiência e competência no tema do projeto.

Não há áreas prioritárias no programa PIPE, o exigido é apenas que seja um projeto inovador.

O PIPE tem 4 chamadas anuais, propostas podem ser submetidas em qualquer data e serão consideradas participantes da chamada aberta. As datas de cada chamada podem ser verificadas em fapesp.br/pipe. 

A FAPESP analisa propostas de empresas ainda não constituídas. Empresas startup ainda não constituídas legalmente são incentivadas a submeter. Nos casos em que a proposta for aprovada, o proponente deverá então abrir formalmente a empresa antes de assinar o Termo de Outorga e receber o financiamento.

Há três fases:
A Fase 1 é destinada à verificação da viabilidade técnico-científica da proposta, (duração de até 9 meses e orçamento de até R$ 200.000 mais reserva técnica e benefícios complementares).
A Fase 2, destina-se à execução da pesquisa propriamente dita (duração de até 24 meses e orçamento de até R$ 1.000.000 mais reserva técnica e benefícios complementares).
A Fase 3 visa ao desenvolvimento comercial e industrial da inovação. A FAPESP não pode financiar a Fase 3, mas frequentemente se associa a entidades como a FINEP que podem oferecer recursos. No âmbito do programa PIPE/PAPPE em parceria com a FINEP, tem havido chamadas de propostas conforme descrito em fapesp.br/pappe.

Ou seja: se você tem uma ideia inovadora, falta de recurso financeiro não pode ser o empecilho. Há alternativas e há caminhos. Basta buscar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário