Páginas

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Torne-se uma empresa de inteligência artificial

por Stéfano Carnevalli

O pensamento chave hoje e crucial para sobrevivência da maior parte das empresas é se tornar uma “empresa inteligente” que desenvolve soluções criativas para alavancar novos negócios.
Um caminho é tornar-se uma empresa de inteligência artificial.
A Inteligência Artificial traz conceitos desde a época dos filósofos gregos antigos, se consolida como campo de estudo na Dartmouth Conference 1956 e avança nas décadas seguintes com o desenvolvimento da tecnologia de informação.

Aristóteles e Alexandre. Gravura de Charles Laplante.
De uma forma bem prática, podemos dizer que a AI (Inteligência Artificial) é uma tecnologia que permite que sistemas simulem a inteligência humana, executando tarefas e tomadas de decisões de forma autônoma. Essas tarefas e decisões são realizadas a partir de padrões pré-definidos com referência a dados transformados em informação.
Com isso para se tornar uma empresa de inteligencia artificial é necessário adquirir conhecimento a partir dos dados. E dessa forma é essencial que oda empresa funcione em torno da inteligência artificial, adotando uma estratégia de aquisição dados de forma integrada, utilizando ferramentas para transformá-los em informação e permitir que as equipes compartilhem esse conhecimento no dia a dia.
Na AI FRONTIERS CONFERENCE, que aconteceu em novembro de 2018 na Califórnia (EUA), os painéis trouxeram exemplos de aplicações e registraram uma tendência de crescimento exponencial do uso de inteligência artificial na próxima década em todos os setores econômicos.

O painel sobre AI nas Empresas apontou um olhar nas futuras aplicações de IA no ambiente corporativo. Segue algumas dicas para iniciar a jornada e transformar sua empresa:

  • Defina as estratégias de aquisição de dados de forma integrada;
  • Treine sua equipe para compreender os conceitos de “Empresa de Inteligência Artificial”;
  • Busque startups para resolver problemas e demandas ;
  • Monte uma equipe interna unificada de IA, reunindo diversos perfis de profissionais.


A Sýndreams auxilia empresas a inovar, preparar as equipes para era exponencial e aproximar-se de startups. Entre em contato: criativa@syndreams.com.br

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Nossas indicações para 2019

A Sýndreams atua com aceleração de startups e empresas  a mais de 6 anos no Brasil. Nesses anos desenvolvemos uma metodologia própria que têm auxiliado empreendedores a tirarem a ideia do papel e empresários a desenvolverem novos negócios inovadores.

Comprometidos com o desenvolvimento econômico a partir da inovação, nossa equipe fez uma série de estudos, acompanhando projeções, tendências e oportunidades para investimento em startups em 2019.

Seguindo nossa tese e foco de atuação nos setores de Economia Criativa, Agronegócio e Inovação Industrial apresentamos algumas indicações promissoras para investimento no próximo ano.



Inovação Industrial

O eixo principal está na transformação do modelo industrial que deve ocorrer nos próximos dez anos.

Além da oferta de serviços e tecnologias para indústrias seguirem rumo a Indústria 4.0, há uma oportunidade para inovação em novos modelos de negócio. Em alguns casos teremos indústrias mais próximas ao cliente final ou mesmo anexa ao ponto de venda. O grau de personalização de produtos será cada vez maior, incluindo novos serviços.


Oportunidades identificadas pela Sýndreams para startups que tragam novos modelos de negócio para indústria incluem uma das seguintes tecnologias:

  • Realidade mista e simulação
  • Data science com inteligência artificial
  • Dispositivos de IOT (Internet da coisas)
  • Manufatura aditiva com robótica
Exemplos estão surgindo como a Chocolatec (chocolate derretido), a MX3D (manufatura aditiva no local da obra) e a The Ocean Clean (tecnologia para limpeza de oceanos). 




Economia Criativa

A economia do conhecimento é a que trará ainda as maiores inovações nos próximos 30 anos. Olhando além das áreas de softwares, há grandes oportunidades nos seguintes setores da Economia Criativa:

  • Moda
  • Música
  • Artes Plásticas
  • Gastronomia
  • Games

Recentemente o Walmart fez aquisição da startup de moda de nicho Eloquii  e o americano George Zimmer (68 anos), veterano do mundo da moda, lançou a Generation Tux (alfaiataria compartilhada). Na música teremos uma transformação; novamente no meio de distribuição, que está sendo desbravada pela BrasilMP3 e outras que utilizam blockchain. O game na educação e treinamento de equipes será cada vez mais presentes como apresentado pela Ohayo e a Degree.


Agronegócio

O agronegócio no Brasil alcançou patamares globais de produção e há oportunidades ainda pouco exploradas que devem receber atenção:

  • Aquicultura
  • Novos alimentos
  • Modelos de negócio por assinatura
O setor de aquicultura será o foco no próximo ano, mas a maior inovação estará em novos alimentos e novas forma de produção. As startup Finless Food  e Mosa Meat são alguns exemplos disso.


Ótimos negócios em 2019!!!


Converse com nossa equipe criativa@syndreams.com.br


Fontes pesquisadas (apoio da startup Simples Data):

ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial
ANDE e Emory University - GALI
Banco Mundial - Estudos Brasil
CPEA ESALQ USP CNA - PIB do Agronegócio Brasileiro
CNI - Confederação Nacional da Indústria
Euromonitor
EXAME
FAO - Food and Agriculture Organization - Sofia 2018
FoodTech Connect
IBGE - Censo Agropecuário, Florestal e Aquícola 2017
Kantar Brasil Insights
McKinsey - The State of Fashion 2019: A year of awakening
MDIC - Industria 4.0
Sebrae Inteligência Setorial
Think wiht Google




terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Lançamento do Grupo de Educadores Google Americana

No dia 27 de novembro aconteceu o lançamento oficial do GEG (Grupos de Educadores Google) - Americana/SP. Cerca de 80 educadores participaram do evento realizado na UNISAL Americana.




O objetivo do grupo liderado por Rodrigo Fukugauti, Giuliano Paulino Coan, Edvaldo Martino e Carlos Eduardo Coan, é oferecer uma plataforma para os educadores colaborarem uns com os outros, permitindo que eles troquem ideias e ajudem colegas a atender melhor às necessidades dos alunos com soluções do Google. As atividades do GEG acontecem on-line e off-line.





A Sýndreams Aceleradora apoiou a iniciativa e promoveu um sorteio de duas vagas para um curso de PowerBI promovido pela startup Simples Data.




Para mais informações sobre o grupo acesse: https://www.facebook.com/gegamericana/

Fotos: GEG Americana

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

2º Fórum Conexão Startup Indústria (ABDI)

A Sýndreams Aceleradora esteve presente no 2º Fórum Conexão Startup Indústria promovido pela ABDI (Agência para o Desenvolvimento da Indústria no Brasil) realizado nos dias 29 e 30 de novembro em São Paulo-SP.


O evento reuniu lideranças governamentais, representantes da indústria, de aceleradoras e contou com a participação de convidados internacionais, além das startups que participaram da 1ª edição do Programa Conexão Startup Indústria.


O tema principal do evento foi Indústria 4.0, mostrando experiências e dicas de como as empresas podem inovar mais rápido aproximando-se de startups. Para Stéfano Carnevalli, diretor da Sýndreams Aceleradora o evento foi de extrema importância para o país e destaca "Na Sýndreams auxiliamos industrias a se aproximarem e agirem como startups. A era exponencial demanda parcerias inteligentes e que foquem inovação. O evento promovido pela ABDI está nessa direção".


A ABDI realizou o evento no mesmo espaço do CASE 2018 aproveitando para aproximar outras instituições do ecossistema de Inovação com Startups. Foi lançado também as inscrições do 2º Programa Conexão Startup Industria. 


O programa Conexão Startup Brasil tem como foco a aproximação eficiente entre industrias e startups. O programa será dividido em etapas. Na primeira, serão selecionadas 100 startups que atenderam as demandas  de industrias com as principais demandas do setor produtivo. Indústrias e empresas de grande e médio porte podem listar demandas para as entidades promotoras do programa. A ideia é envolver outros atores do ecossistema, como entidades de apoio, universidades, centros de pesquisa e desenvolvimento e investidores.


Depois do lançamento do programa será feita uma busca por parceiros regionais e, posteriormente, o edital será divulgado. As startups selecionadas passarão pelas mentorias e desenvolvimento do projeto, para no fim desta jornada receberem o investimento. O Conexão Startup Brasil é uma parceria entre a ABDI, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), a Softex e o CNPq. 

Inscrições e informações sobre o 2º Programa de Conexão Startup Indústria

Veja como foi a programação completa do 2º Fórum  


(Fonte ABDI)